domingo, fevereiro 26, 2006

..da rocha ao spray...


Fugindo um pouco às questões relacionadas com a fisionomia masculina, hoje vou pôr a massa cinzenta a reflectir sobre Arte. Mais propriamente, sobre pintura!

O Homem, desde que, num ponto ainda desconhecido, se separou dos restantes “macacos” na linha da evolução, que começou a fazer umas coisas engraçadas... como por exemplo, PINTAR!

Pintava as suas mãos na parede, animais, a si próprio e até cenas de caça! Ao longo do tempo, a técnica evoluiu, assim como os pigmentos e as superfícies utilizadas em tão nobre actividade!

Mas há algo que parece não ter evoluído mesmo! E o que é? Que tem tudo isto de comum?! Além de “macacos mais espertos”? É mesmo o pintar as paredes!

Portugal, felizmente para algumas coisas, vai adoptando algumas modas com certo atraso.. Era apenas comum verem-se algumas frases como “VOTA APU” ou “SOARES LADRÃO”, mas pouco mais... Mas já na altura era algo que desfigurava profundamente as superfícies verticais caiadas, vulgas paredes, nas quais se encontravam tais manifestações verbais!

Inundados pelos costumes americanos, com MTV’s a mostrarem que é obrigatório para se ser “cool” ter um “tag” e andar a pintar paredes... Aos poucos e poucos os nossos subúrbios foram-se inundando de peculiares manifestações de arte.

Como chamar arte a algo, não a cataloga como sendo algo de qualidade, podemos constatar que estamos afogados de mau gosto e má qualidade. Má não será a terminologia mais adequada... talvez PÉSSIMO e NAUSEANTE seja mais ajustado..

Uma breve pesquisa pela internet, até me mostra alguns grafitis que têm alguma qualidade (as que têm bonequinhos por exemplo, porém já aqueles das letras elegíveis são de um indiscritível mau gosto narcisista). O que me deixa a pensar... será que Portugal está cheio de maus artistas? Não me parece... penso que há skills que não são determinados assim, só por uma localização geográfica... penso que estão bem mais relacionados com questões culturais. E nós de cultura.. ainda somos um povinho muito atrasado, iletrado, supersticioso e ter cultura parece ser pecado mortal! “Eeeeeh! Aquele xoné sabe quem é o Monet?!?! Ganda tóni!”

Reconhecer uma pintura de Miró, faz sentir qualquer português um pouco mais culto, uma autêntica aberração, tal é o ar de espanto misturado de repúdio (“Este tem a mania!!”) com que olham para o poço de cultura. E como ninguém gosta de parecer “esquisito” perante os outros, obriga-se a estupidificar... E é uma bola de neve!

Entre adolescentes isso é ainda mais evidente, a necessidade de integração no grupo, obriga a que actuem e pensem todos do mesmo modo. Por isso talvez seja esta a justificação dos grafitis e tags serem tão maus em toda a magnificência da palavra! Ninguém se atreve a fazer algo verdadeiramente bom, com medo de ser rejeitado!

Ok... é uma teoria! Rebuscada com certeza... Por esse país deve haver um ou outro grafiti de qualidade, mas na sua larga maioria são somente (assim descrito até parece pouco) poluição visual, e euros (dos papás) deitados ao lixo em latas de spray colorido.

Quanto aos “tags” que penso que sejam somente aquelas assinaturas de nicks novamente de gosto duvidoso e de influência “americanóide”... são apenas mais uma manifestação de auto-afirmação.

Aliado a pintar as paredes do comboio, não está o prazer de fazer arte, porque se estivesse, as pinturas penso que teriam qualidade... O que impele aos jovens a terem esta actividade, está associado ao “perigo” que os adolescentes (e outros que apesar de terem já idade para terem juízo, mantém-se numa negação total de que... CRESCERAM!) tanto gostam. Dado que é um desafio, dá-lhes prazer fazerem-no. O facto de escaparem “impunes” fazem com que se sintam os MÁIÓRES!

Gostos não se discutem... mas acho que quando ainda nem sabiamos escrever e estavamos a dar os primeiros passos na comunicação, sabiamos pintar melhor, e com meios bem mais rudimentares! N'est pas?

5 Comments:

Blogger Adrenaline said...

Concordo com o teu ponto de vista em alguns pontos que focaste no texto...

Há sitios que simplesmente não deviam ser pintados, ponto final. Mas também há sitios que ficam muito melhor "tatuados" com uma mescla de cor e vida, ao invés do cinzento do betão...

Como em tudo também há o reverso da medalha e poderia expor aqui muitos pontos "a favor" do graffiti, toda a cultura que representa e sustenta, por exemplo...

Tal como no tuning e no xuning há os bons e há os maus e aposto contigo que se fores falar com um Writer a sério ele discorda da atitude que vemos hoje em dia, a cultura do tag e da destruição "só porque sim". Estou a falar de um writer que não seja um marreco qualquer que só tenha 1001 "piece's" espalhados por todo o lado, na sua maioria silver's... um Writer daqueles que já praticamente não há... que faz a cultura do Hall of Fame e usa o bombing como um complemento à sua forma de estar no graffiti. Um bombing é, na sua essência um "grito de revolta", não deve ser assumido como a forma de estar principal na "scene" do graffiti... pelo menos eu penso assim e acredito que alguns outros também...

É tudo uma questão de saber-estar.



Começo a perceber que temos muito em comum... tudo o que eu gosto, tu criticas.
Para quando um artigo sobre tatuagens ? hehehehe

Fica bem *

07 março, 2006 23:54  
Blogger Baronesa Vermelha said...

Como é evidente, eu estou apenas a satirizar apenas o fenómeno grafiti de má qualidade, executado por indivíduos que se querem afirmar.

Há grafitis com imensa qualidade. Todos (bem... alguns) conhecem os que se encontram nos restos mortais do velhinho muro de Berlim, os quais estavam carregados de simbolismo. Esses são um exemplo de qualidade.

08 março, 2006 00:18  
Blogger Adrenaline said...

Este comentário foi removido por um administrador do blogue.

08 março, 2006 00:28  
Blogger Adrenaline said...

Apaguei o comentário anterior porque me esqueci de frisar um ponto...
##
Tal como no Tuning, no Graffiti sucede-se também um pouco a teoria do pirilau... quanto mais vezes taggares e quantos mais bombings tiveres espalhados pela cidade (de preferência em sitios que não devas MESMO) maior é a tua pilinha... ##

Óbvio, apenas expus o meu ponto de vista e elaborei mais um pouco porque já deu para perceber que não criticas à toa e te dás ao trabalho de ter um minimo de conhecimento dos temas a que te propões o que é muito bom.

Não é preciso ir a Berlim para ver graffiti com simbolismo, trust me on this ;)



Fica bem*

08 março, 2006 00:31  
Blogger Baronesa Vermelha said...

hehe
Estava apenas a dar um exemplo que seja mais ou menos conhecido ;D

Acredito em ti ;)

08 março, 2006 22:31  

Enviar um comentário

<< Home